A intoxicação linguística – Traços do discurso capitalista

2. A Simplificação

Hoje em dia, a maior parte da comunicação é realizada através dos chamados meios de massas que, tal como o termo ‘comunicação de massas’, não deixa de ser um eufemismo. Como é sabido, nem as massas comunicam entre si através destes meios, nem eles são das massas, mas sim de uns poucos que produzem massivamente para as massas.

Em suma, estes poucos detêm o poder de definir a realidade para os demais, de dizer-lhes o que se passa, o que é bom e o que é mau, o que há a fazer e a não fazer, como fazê-lo, etc. Este poder de fixar o programa social de qualquer comunidade é a chave de controlo social. Lorde Nordcliffe, dono de um dos maiores consórcios jornalísticos de princípios do século XX explicava-o assim, sem papas na língua: “Deus ensinou os homens a ler para que eu possa dizer-lhes quem devem amar, quem devem odiar e o que devem pensar”.

E o que nos contam é quase sempre a história dos outros, não a nossa. Ora, se estamos ocupados a viver a história dos outros, não temos tempo para nos preocuparmos com a nossa própria. Pois que se dela nos ocupássemos e descobríssemos como são outros que a determinam, não ficaríamos de braços cruzados, tentaríamos mudá-la para melhor.

Produção massiva significa produção em série, indiferenciada, simplificação e estereotipada. Como na produção comunicativa o que está em causa são produtos do pensamento, conteúdos de consciência, essa serialização e indiferenciação têm necessariamente a ver com produção de pensamento indiferenciado, acrítico, mágico.

Na comunicação, o engano não se dá apenas no quadro dos meios primários, senão que, pelo contrário, ele ocorre sobretudo no âmbito dos meios terciários, quando os participantes necessitam, tanto um quanto outro, de aparelhos para comunicar. A técnica da comunicação, acelerada através das grandes distâncias para grandes quantidades de receptores dispersos, conduz à simplificação dos signos em imagens e abreviaturas linguísticas. Deste modo, reduzem as possibilidades da sua própria decifração, ao mesmo tempo que sobrecarregam a percepção com novas abreviaturas e excedem a capacidade da memória.

A maioria das pessoas adquire a sua consciência através do trabalho. Todo o socialismo se baseia na hipótese de que há que consciencializar os seres humanos. Após esta ilustração, serão eles a tomar o seu destino nas mãos, a emancipar-se do poder dominante da economia e dos proprietários dos meios de produção. Uma tal consciencialização não pode dar-se na Era da expansão global dos grandes meios técnicos de comunicação, uma vez que estes não fomentam o trabalho consciente mas, antes, o reduzem. Fazem-no de muitas maneiras. Primeiro, criando tensão. Trata-se de um processo de distracção. Segundo, simplificando a realidade através da oferta dos mesmos padrões de comportamento que são sempre binários: bom e mau, acima e abaixo, falso e verdadeiro, etc. Estas pautas de comportamento realizam-se na figura estética do televisor.

Neste processo é também a imaginação que se simplifica. Às pessoas é servido sempre o mesmo, sob formas cada vez mais elementares, primitivas, uma vez que, de acordo com a economia de sinais, os proprietários têm de fazer investimentos cada vez maiores e, por consequência, têm de chegar a números cada vez maiores de receptores, para rentabilizar esses investimentos. Só se pode chegar a audiências cada vez maiores excluindo a diferenciação e reconduzindo permanentemente ao que todos entendem: coito, violência, saída — entrada, subida — descida, isto é, modelos muito rudimentares. Com estes pares binários atinge-se um forte efeito dramatológico, ainda que à custa de grandes perdas em sentido de realidade e possibilidade de conhecimento, pois quem selecciona abstrai e, claro, tem de deixar mais e mais coisas de fora. Em consequência, é de esperar uma longa época de idiotização mediante uma Humanidade mediaticamente enquadrada.

Na imprensa, o que conta é a apresentação visual dos conteúdos, que são estruturados de forma a predeterminarem as modalidades perceptivas, bem como aquilo que pode conhecer-se e interpretar-se.

E é de esperar que assim continue, enquanto persista a relação directa entre a apresentação como captação visual e as bases comerciais do meio impresso. Quanto maior a tiragem, tanto mais atractiva a apresentação e tanto mais curtos os enunciados. A redução deve-se, em todos os meios, à economia de sinais.

Na radiodifusão como na imprensa, portanto, a linguagem é submetida à lei da economia de sinais, isto é, ganhar tempo e poupar espaço para chegar ao maior número de consumidores com o menor gasto possível para o produtor. Assim, o ganho de tempo é a suprema máxima da sua práxis.

No respeitante à imprensa e à tele e radiodifusão deve, porém, distinguir-se entre ganho de tempo para o produtor da comunicação e ganho de tempo para o seu consumidor. Pelo prisma da auto-determinação, o ganho de tempo do primeiro não corresponde, necessariamente, a um ganho de tempo do segundo, pois este entrega algum do seu biotempo na suposição de que tal entrega valha a pena para si. Ora essa entrega pode muito bem traduzir-se em ‘tempo perdido’, isto é, em tempo que não compensou os seus défices cognitivos e emocionais. Simplesmente, o tempo gasto não volta.

E o produtor tem a obrigação de reunir todos os consumidores possíveis para a sua comunicação, a fim de poder amortizar com a máxima recepção o gasto técnico que investiu.

Os receptores, por seu lado, querem entreter-se, participar, estar em comunicação, uma vez que são seres humanos e não podem, nem querem, viver isolados. Mas quando primem o botão da rádio ou da televisão, ou pegam num jornal, têm de aceitar a apresentação linguística e icónica de redução de cada um desses meios e abandonar o seu dispositivo cognitivo nas mãos de comunicações heterodeterminadas, sem poder contradizê-las, ao contrário do que sucede na comunicação primária.

Anúncios
por Blogue da Emigração Publicado em Política

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s