– Ó Zé, olha a fita!

Woody Guthrie, autor ,intérprete, da canção que podemos escutar no final deste texto, foi um anarcossindicalista de princípios de século – à semelhança daqueles que há 88 anos fundaram essa semente de justiça que é o meu partido, o Partido Comunista Português, um crítico do fascismo e da exploração do homem pelo homem. Conhecido maioritariamente pelo tema “This land is your land”, não sendo esse, contudo, o conteúdo do vídeo.

Falamos neste compositor, chave, do folk norte-americano, por motivos que nos podem suscitar interesse sobre; a outros dar a conhecer, uma obra cinematográfica que retrata uma época com severas similitudes com aquela que experimentamos, e que, considerando que a história não se repete, mesmo com contornos distintos, nos poderá servir de suporte de inflexão, alertando-nos também sobre a necessidade de assumirmos como fundamental alterar substancialmente a nossa relação com o mundo. Referimo-nos às “Vinhas da Ira”, de Steinbeck, realizada por John Ford em 1940.

Neste filme, em primeira análise uma crónica da proletarização do campesinato norte-americano, no início da grande depressão de 1929, é-nos permitido analisar certas contradições, que, também hoje, depois de um sonho realizado, nos indicam que o mesmo não cristalizou, e assim, de quão importante se revela fomentar a luta e o nosso esclarecimento como povo.

Ao regressar a casa, depois de cumprir uma sentença por homicídio – mau começo para o credenciar, Thomas Joad, filho de uma família de pequenos agricultores arrendatários de Oklahoma, mulheres e homens que lavravam o pão regado com maresia, encontra que a sua família, e as vizinhas, tinham sido expulsas das terras que aravam.

Encontrando-se estas num momento de abandono; mais na moribunda fase após negação, inspirando a resignação suficiente no caminho da emigração para a Califórnia, para essa famigerada “Route 66”, Joad encontra-se numa encruzilhada, sem possibilidade de reencontrar a sua esfera sociocultural. Mais, quando figuras fulcrais desse tempo, e sobretudo desse espaço, como o suposto intelectual dessa estrutura, o pregador Casy, o qual, depois de informar que abandonara o seu próprio plano, responde à estupefacção de John: – não tenho mais sobre que pregar, só isso! Uma reacção, ou reflexo que, junto com a desoladora vastidão da sua pequena casa e com a identificação de objectos considerados supérfluos para os exulados, mas que memorizavam parte de uma vida, o afirma desgarrado do seu ser pelo capitalismo.

Num diálogo com Muley Graves, um autoproclamado louco, jazendo impotente abnegado e considerando-se um fantasma num cemitério abandonado, alguém que não abdicou do seu sonho mesmo desconhecendo que o capitalismo transforma os homens na sua própria sombra enquanto se dispõem a desmentir sozinhos essa correlação, coloca-lhe, desde a sua condição, a seguinte questão: – de quem é a culpa? Questão a qual, como era de esperar, encontrou o mutismo como resposta. 

Concluindo, John e o pregador, assim como uma comunidade substituída por máquinas, tomam determinado caminho, que, ainda que diferente ao de Muley, os levará a viver a loucura de outros.

Desta obra, elaboramos então este relato analítico e, analogicamente, encontramos os sem-terra do Brasil (sem deparar, porém – seguramente pelo seu momento, distinto no desenvolvimento de classe, referências aos escravos sul-americanos que geram mil milhões de doláres como mercadoria e que alcançam já o milhão e trezentos mil seres humanos). Encontramos a urgência de uma reforma agrária para o nosso País, evitando que em poucos anos, àparte de uma Califórnia Europeia onde os Portugueses não sejam mais que vidas serventes, a nossa costa se limíte a permitir o acesso a quem o compre e os nossos campos se tornem num enorme e transgénico “Monsanto”. Encontramos a legitimação do programa eleitoral do meu Partido, a sua aposta pelo fomentar do cooperativismo; pelo abandono desta Europa de povos subjugados aos desígnios imperialistas, através de uma corja governante subserviente. Mas, encontramos também o 25 de Abril. Encontramos o 25 de Abril como prova de que o capitalismo é o suficientemente imperfeito para criar as condições subjectivas necessárias para que os trabalhadores, aqueles que pisam em cada passo com toda a sua riqueza, alcancem a emancipação que requer a decisão de mudar de rumo. Para que, de uma vez por todas, acreditem que sim é possível. Para que conheçam no empirismo, ou num filme de 1976, de Ettore Scola, “Feios, porco e maus”, que existe o lumpemproletariado que não observa qualquer condição de classe, esse que vende o que não é para chegar a roubar o que não tem.

Prescindir do “medo de assumir as consequências das suas decisões” torna-se hoje vital. Um incontornável esforço para garantir a nossa liberdade, o futuro da espécie, o sorriso e a alegria da juventude que mesmo arrugada pela gelada neve respeita as nascentes dos rios onde bebemos a existência, só nos elevará enquanto Homens.

O desenvolvimento histórico do modo de produção capitalista, por outra parte, tem pois um objectivo composto por três factores que o tornam incompatível com o mundo do qual fazemos parte, exploração, acumulação, expropriação. Nessa linha, vale a pena frisar que, qualquer debilitar do agravamento da crise económica – que será sempre periódico, menos frequente e cada vez mais inconsistente, magnificado pelos manipuladores meios ao serviço deste sistema, só será possivel apropriando-se do resultado da entrega da força de trabalho de diferentes gerações de Mulheres e Homens, os quais, com base nessa (agora revelada) mentirosa promessa de garantias de subsistência por parte do Estado, entregaram parte de si para agora compensar os promotores deste paradigma. Este, onde cada vez existirão menos ricos e se multiplicarão os oprimidos.

Contra essa lacra, contra a precarização, a retirada de direitos às populações, pela vida:

 

Mário Pinto

Anúncios
por Blogue da Emigração Publicado em Política

Um comentário a “– Ó Zé, olha a fita!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s