Sexta-feira, dia 21 – Protesto no MNE

palacio_das_necessidades
STCDE promove concentração em Lisboa, junto ao Palácio das necessidades, dia 21 de Agosto, 6.ª feira

A última edição do “Avante!” dá nota da acção de protesto promovida pelo Sindicato dos Trabalhadores Consulares e das Missões Diplomáticas para o próximo dia 21 de Agosto, que terá lugar no Largo do Rilvas, em Lisboa, a partir das 12h.

Trabalhadores dos serviços externos do MNE são chamados a participar, dia 21 de Agosto, numa concentração, em Lisboa, junto ao Palácio das Necessidades.

O Sindicato dos Trabalhadores Consulares e das Missões Diplomáticas (STCDE) tinha já anunciado a promoção desta manifestação, a 19 de Junho, quando remeteu ao Ministério dos Negócios Estrangeiros um abaixo-assinado de apoio às reivindicações que tinham estado na origem da greve realizada, com muito forte adesão, no dia 4 daquele mês:

– um estatuto profissional que respeite a vinculação à Função Pública (e não aos regimes laborais dos países onde estejam instalados os serviços), garantindo o direito à carreira e os direitos sindicais e de contratação colectiva;

– uma actualização salarial 0,4 por cento acima da perda de poder de compra, de acordo com o compromisso do Governo, levando em conta a inflação no país em que se presta serviço e considerando igualmente as variações cambiais;

– solução para os problemas causados pela aplicação do SIADAP para avaliação de desempenho, adequando aquele sistema e assegurando o direito à progressão na carreira.

Reclamando a urgente abertura de negociações, o STCDE adiantava que a concentração teria lugar, a 21 de Agosto, caso as questões colocadas não tivessem resposta.

O abaixo-assinado, revelou então o sindicato, foi subscrito por cerca de mil trabalhadores, de quase 130 serviços consulares, embaixadas e centros culturais, em mais de 50 países, o que corresponderia a 75 por cento dos funcionários (excluindo pessoal de férias ou de baixa). «Desta vez as fontes do MNE não podem falsificar os números, como na greve do dia 4», comentava o STCDE, numa nota informativa.

Anteontem, ao confirmar a realização da manifestação – inédita, nos mais de 30 anos de existência do STCDE, e que terá lugar no Largo do Rilvas, a partir das 12 horas – o sindicato salientou que há agora mais razões para os trabalhadores expressarem o seu descontentamento, já que o MNE decidiu aplicar uma actualização salarial de apenas 2,9 por cento, que pouco mais é do que metade da perda verificada na generalidade dos países (estimada em cinco por cento).

O sindicato admite que, caso esta acção não seja suficiente para desbloquear soluções, poderá haver nova greve antes das eleições de 27 de Setembro.

Razão aos «mordomos»

O MNE, após a entrada em vigor do EPSEMNE, despediu vários auxiliares de serviço de residências (que muitos diplomatas costumam designar como «mordomos»). Dos casos que seguiram para tribunal, o Estado foi condenado definitivamente em todos.

No blogue dos Serviços Jurídicos do STCDE foi relatado um destes casos, cuja sentença foi conhecida a 7 de Julho: o despedimento, em Junho de 2001, foi sumário, por carta, sem processo disciplinar e à sombra do regime jurídico do contrato de serviço doméstico – mesmo que o estatuto do pessoal dos serviços externos do Ministério dos Negócios Estrangeiros, publicado em 1999, determine expressamente que se aplica o regime do contrato individual de trabalho.

Ao fim de oito anos, o Tribunal do Trabalho de Lisboa veio considerar ilícito o despedimento, determinando a sua reintegração no posto de trabalho, sem prejuízo de categoria e antiguidade, e o pagamento das retribuições que se mostrem em dívida.

Passadas duas semanas, comentando a decisão do Ministério Público, de interpor recurso da sentença do Tribunal do Trabalho de Lisboa, o jurista do sindicato admite que tal ocorra por «dever de ofício», embora «em nítida colisão com o princípio da legalidade». «Mas o que choca, pelo contraste, é que não vemos o Ministério Público, quando patrocina oficiosamente trabalhadores em processos laborais, defender com tanta perseverança os seus direitos e interesses», comenta Jorge Mata.”

In “Avante!”

Em defesa dos Emigrantes, aqui

Anúncios
por Blogue da Emigração Publicado em Política

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s