Conferência de Imprensa do PCP – 21/12/09 – Declarações de Jorge Pires

Declaração de Jorge Pires,
da Comissão Política do PCP,
sobre o processo negocial em curso
entre o Ministério da Educação e os Sindicatos de Professores
Lisboa, 21 de Dezembro de 2009

Mais uma vez tínhamos razão

Passados que estão trinta dias, após a aprovação pela Assembleia da República do Projecto de Resolução que recomenda ao Governo que, no âmbito do processo negocial e no prazo de trinta dias, seja revogada a divisão da carreira docente em categorias hierarquizadas de «Professor» e «Professor titular» e seja concretizado um novo regime de avaliação do desempenho dos docentes, uma avaliação rigorosa ao processo negocial confirma que o PCP tinha razão quando no passado dia 20 de Novembro reafirmou que a solução definitiva para o conflito que opõe, há mais de três anos, os professores e educadores ao governo, passava obrigatoriamente pela suspensão imediata do modelo de avaliação em curso e pelo início da revisão do Estatuto de Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, tal como o Projecto-Lei do PCP consagrava.

Tal como o PCP denunciou oportunamente, o Projecto de Resolução do PSD era uma inexplicável cedência ao PS e ao Governo e os efeitos seriam muito reduzidos dada a sua insuficiência, pois não contemplava, por exemplo, aspectos extremamente importantes como os horários de trabalho dos docentes e não obrigava o governo a rigorosamente nada, ao contrário do Projecto-Lei do PCP que era claro e concreto em relação ao caminho a percorrer.

Se dúvidas existissem, elas hoje estão dissipadas não apenas na forma como todo o processo se tem desenvolvido, como no conteúdo das propostas do Governo. Tinha razão o PCP quando afirmou que a Assembleia da República devia assumir orientações claras quanto à resolução de um problema que se arrastava há muito tempo. Contudo, tal só poderia acontecer de forma frontal, transparente, com medidas inequívocas, de efeitos claros e não de uma forma em que o debate político fosse substituído por conversas de bastidores e acordos firmados em gabinetes e às escondidas, levando à aprovação, apenas, de vagas recomendações ao Governo que seriam ou não cumpridas da forma que ao Governo mais apetecesse e conviesse.

Dissemos ainda que a negociação só poderia ser feita em ambiente “respirável”, franco e aberto, se o processo fosse suspenso. A questão da suspensão não era um problema de semântica, como o PSD procurou fazer passar para a opinião pública, mas a única forma de fazer parar um processo que prossegue independentemente das negociações e do seu real alcance. E prossegue como sempre decorreu: sem regras, sem controle, de forma diferente.

Felizmente, a maioria esmagadora das escolas decidiu parar tudo, perante a titubeante atitude do Ministério da Educação em assumir uma suspensão de facto e a omissão dessa decisão por parte da AR.

O tempo encarregou-se de nos dar razão!

Senão vejamos: a Assembleia da República aprovou o Projecto de Resolução no passado dia 20 de Novembro e só no passado dia 18 de Dezembro este foi publicado em Diário da República. Que terá acontecido? Estamos perante um esquecimento? Ou estamos perante uma decisão unilateral de prolongar o prazo de forma administrativa?

Mas se na forma não existem muitas dúvidas sobre a falta de transparência de todo este processo, no conteúdo o processo negocial em curso está muito longe de corresponder às recomendações da AR e às justas reclamações de professores e educadores.

Não fosse a previsibilidade das reais intenções do PS e do actual Governo sobre as negociações em curso, diríamos que estamos perante uma provocação aos professores e educadores que, face à gravidade da situação que se vive hoje nas escolas e depois de um processo de luta que atingiu neste sector uma dimensão nunca vista, luta que deu um importante contributo para a derrota da maioria absoluta, são confrontados com uma proposta do Governo que em alguns aspectos piora a situação face ao que já existe e que é alvo da contestação dos docentes.

A insistência numa prova de ingresso, agora com outro nome, as quotas na avaliação, a contingentação por vagas para progressão na carreira e a insistência em lógicas burocráticas no modelo de avaliação de desempenho em vigor, deixam claro que a natureza das propostas do Governo do PS são de ordem economicista, criando em vários momentos da Carreira Docente barreiras administrativas à progressão dos professores, mas também porque desta forma se mantém a degradação da condição docente e da Escola Pública.

Da nossa parte, tudo continuaremos a fazer para dar firme combate a esta política retrógrada que concebe a escola como uma empresa, o estudante como um objecto e o professor como um operador de máquina.

Exigimos que o Governo respeite no processo negocial em curso com os sindicatos os direitos dos professores, nomeadamente a sua dignidade profissional e não arraste o processo negocial, procurando desta forma ganhar tempo apostando na degradação da vida nas escolas e na desmotivação dos professores.

Insistir nas mesmas políticas é continuar a degradar a capacidade e a qualidade profissional do trabalho docente, com implicações óbvias na qualidade do ensino e com distorções evidentes no papel da Escola Pública.

Anúncios
por Blogue da Emigração Publicado em Educação

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s