Adeus Portugal?

“A população de Valença começou esta segunda-feira a colocar bandeiras espanholas nas casas e estabelecimentos comerciais do concelho, naquela que é mais uma forma de protesto contra o encerramento das «Urgências» do Centro de Saúde local.
O porta-voz da Comissão de Utentes do Centro de Saúde, Carlos Natal, disse à Lusa que, até ao momento, já foram colocadas «dezenas» de bandeiras espanholas, sobretudo no interior da Fortaleza.
«Esta é uma forma de protesto pelo fecho das Urgências, mas também um gesto simbólico de agradecimento ao alcaide de Tui, na Galiza, Espanha, pela total disponibilidade que demonstrou para os nossos doentes irem às urgências no centro de saúde local», referiu.
«Isto significa que os valencianos são bem mais tratados do lado de lá da fronteira do que no seu próprio país», acrescentou. Carlos Natal garantiu que foi o primeiro «a dar o exemplo», colocando uma bandeira espanhola na fachada do seu restaurante, no interior da Praça Forte de Valença.
«A Comissão de Utentes tem mil bandeiras para distribuir, ao mesmo tempo que algumas lojas também já se estão apetrechar para dar vazão à procura, que se prevê seja grande», disse ainda Carlos Natal.
Os utentes de Valença estão agora cada vez mais virados para as Urgências de Tui, que ficam a menos de cinco minutos e onde não se pagam taxas moderadoras.
«Agora, a tendência é, naturalmente, para aumentar. Em Tui é melhor, mais barato e mais perto. Basta termos o cartão europeu de saúde para sermos atendidos», rematou Carlos Natal.
Para terça-feira, está marcada uma nova marcha lenta, cujo percurso ainda não está definido.”

A reportagem aqui

Mais abaixo, no Alentejo, poderemos também encontrar o resultado da descaracterização do essencial Português, o reflexo claro da consumada estratégia imperialista e assumida pelos esbirros governos do nosso país, ratificada com a implementação do tratado de Lisboa, promovendo, não só de facto mas “de iure”, a eliminação da soberania e/ou da independência Portuguesas:

 “O hospital de Elvas – onde, em 2005, último ano antes do encerramento, nasceram apenas 264 bebés – decidiu também aproveitar e reconverter as instalações da maternidade: um corredor onde a sala de partos tinha paredes-meias com os quartos. “Agora temos consultas para as grávidas e cursos de preparação para o parto”, explica Rui Cambóias, enfermeiro da unidade e responsável pela comunicação, que defende que o encerramento foi uma boa opção, tendo em conta que a Organização Mundial de Saúde recomenda que as maternidades tenham pelo menos 1500 partos ao ano

Um número que é em muito ultrapassado do lado de lá. “Temos mais de 3000 partos por ano e, até ao final de Outubro, nasceram aqui 814 crianças portuguesas”, conta Marcelino Borrallo, director clínico do Hospital Materno-Infantil. Além disso, “a taxa de cesarianas é de 21 por cento”; em Elvas era de 36. Sobre os custos dos partos, o Estado português paga por cada um, em média, 1800 euros ao hospital de Badajoz; em 2005, cada parto em Elvas custava 2500 euros.

“Nasce quase um bebé português por dia no nosso hospital e este número não perturba em nada o nosso funcionamento. Ficamos muito felizes por poder oferecer um serviço de excelência e as grávidas portuguesas são acompanhadas com o mesmo padrão de qualidade que as nossas”, acrescenta Marcelino Borrallo. Sobre as complicações com o registo, assegura que “foram apenas iniciais” e que “as fronteiras são psicológicas”.

Dupla nacionalidade

Um pequeno embrulho revela as bochechas rosadas de Tomás e os lábios que parecem fazer beicinho. Nasceu em Badajoz a 16 de Outubro deste ano com 3,750 quilos. “Agora já tem mais de cinco quilos e só mama”, conta a mãe Patrícia Cardoso que, descontraidamente, dá de mamar enquanto conta a história e vigia o filho mais velho, João Pedro. Além de “não ter nada a apontar à maternidade”, Patrícia, de 32 anos e funcionária numa pastelaria, encontra várias vantagens em ter ido a Espanha. “Registei-o nos dois lados e pode ficar com dupla nacionalidade. Como as coisas estão más, acho que é uma boa oportunidade se for estudar ou trabalhar para Badajoz.”

Mário Pinto
Madrid

Anúncios

Um comentário a “Adeus Portugal?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s